4 de junho de 2012

Encalacrado



O cabo de aço permanecia ali, alheio a toda tentativa minha de transformá-lo em borboleta. Bem que tentei com arames e alicate domar a matéria bruta. Como que a rir desse capricho, o cabo se esticava mais e mais  escarnecendo de minha fantasia de onipotência. Certo, entendi logo: metamorfose não! Então, perseverante e paciente bolei este suporte para as adoráveis curvas que o aço me permitia fazer com as mãos sem alterar sua essência. Fizemos as pazes e demo-nos as mãos.

Juan Ojea é o orientador da oficina que acompanho sobre Arte Têxtil Tridimensional. A sugestão de usar materiais inusuais veio dele. Estímulo e incentivo também. Muchas gracias.

2 comentários:

Tania Stahl disse...

Parabéns Ludmila. Vc conseguiu entender que o material tb pode reger o artista na sua criação. Domar materiais desconhecidos é sempre um desafio e vc venceu!!!

Peixesempeixes disse...

Luxo.